31 de ago de 2009

Um pouco de Punk Rock

O punk surgiu na década de 70 na Inglaterra. No começo, as bandas tocavam punk rock, estilo que confrontava o som da época: o heavy metal, o pop e outros, onde o público apenas apreciava de longe e não tinha contato com os músicos, pois não passavam de estrelas (popstars). Citam-se bandas como Deep Purple, Pink Floyd, Yes, Black Sabbath, Led Zeppelin e outras, que tinham músicas muito trabalhadas e letras viajantes, fora da realidade que o público vivia. Principalmente, na época da guerra fria e da queda do movimento hippie, que exigia nas ruas o Paz e Amor, enquanto os punks surgiam gritando o caos que enfrentavam e diziam "No future".

O punk quebrou o som feito pra vender, criando algo de poucos acordes e letras da realidade pobre de jovens desempregados e sem futuro. Criticavam o governo, a educação, os políticos, os impostos, a pobreza, o desemprego, a falta de perspectiva e outros problemas. Contudo, bandas como Sex Pistols, criadas para a moda e vender roupas de fetiche de Malcolm McLaren, chamavam a atenção das grandes gravadoras, sedentas de dinheiro deste novo som, feito por "drogados e garotos suburbanos". Acarretando em pouco tempo, uma imagem ruim do que o punk real transmitia, onde muitos foram cooptados para virarem ícones, sifras para gravadoras e até para filmes. Mas os Sex Pistols foram sinceros ao lançarem um play minimalista chamado "Sex Pistols: A grande farsa do rock and roll".

Punk é uma gíria para podre, madeira ruim, o que não presta. A origem do termo é difícil de dizer, inclusive o escritor William Shakespeare cita "punk" em uma de suas obras, nota-se então, como ele é antigo.

A década de 70 passava, enquanto bandas como Ramones, The Clash (considerada traidora porque fez um comercial para uma multinacional de jeans) e outras, caíam na mídia enquanto outras fugiam do punk que estava sendo sugado pela discoteca, tendo o filme "Embalos de Sábado à Noite" como um marco para a queda do punk rock moda, pois as gravadoras tentavam tirar a criatividade e a espontaneidade do subúrbio pobre de jovens que montavam bandas em cada esquina, para se entregarem às danceterias.

A década de 70 ainda trouxe os fanzines punks, sendo iniciado por >Sniffing Glue< (Cheirando Cola), onde mostrava que você é capaz de fazer todo seu material sem precisar comprar revistas idiotas, camisas de lojas e pagar caro por discos e fitas. Assim, criou-se o lema DIY (Do It Yourself - Faça Você Mesmo).

A CRASS foi uma das mais importantes bandas DIY da Inglaterra, mostrando que o punk politizado e anarquista era possível, que confrontar o Estado e suas vertentes, já estava na hora. Ela causou um impacto terrível ao Reino Unido, sendo alvo de pauta de discussões no governo inglês que diziam: "Crass é um perigo. É uma das piores coisas da Inglaterra!".

Anos 80

A década de 80 trouxe um novo punk. Para as bandas não terem seus sons sugados pelo capitalismo, precisavam de um som mais raivoso que o punk rock, hoje taxado de Punk 77 (punks que ainda curtem sons como The Clash, Sex Pistols, Sham 69, Ramones, Television, Vibrators, The Jam, Uk Subs e outras). Surgia assim o HARDCORE.

O HC relaxava o punk rock, sem discriminar. O hardcore sendo um som mais direto, batidas rápidas e letras mais politizadas e contestadoras, foi um novo marco para o movimento que andava cambaleando desde 1978. Gritavam no mundo "Punk´s not dead!" (Punk não está morto!). Na Inglaterra surgiram bandas como The Exploited (O Explorado), Varukers, Discharge e outras que até hoje existem.

Com o tempo o The Exploited, foi acusada com provas gravadas, de suas atitudes fascistas onde o vocalista Wattie dizia que "odiava negros, filipinos, latinos e marroquinos". Chegou a fazer show para que os carecas matassem alguns punks num galpão. Se declararam partidários do National Front (mov. nazista inglês). No Brasil, Exploited foi boicotado por anarcopunks e o vocalista espancou uma prostituta negra. Em turnê nos USA, Wattie declarou em rádio que odiava latinos. Ao tocar na fronteira com o México e com abertura da banda mexicana Solucción Mortal, que foi visitá-los no camarim. O Exploited espancou o vocalista e outro integrante e os obrigaram a comer merda no banheiro. Contudo, a reação real punk surgiu! Durante o show, os punks latinos subiram ao palco, destruíram a aparelhagem, espancaram o Exploited e o seu empresário. Gritavam: "el fascismo no passará!".

Nos USA, Dead Kennedys foi uma das bandas que mais marcaram época. Com letras críticas e ácidas ao governo, à polícia e a forma americana de viver e explorar, levou um processo judicial por causa de uma capa de disco. Além disso, criaram um "hino" chamado "Nazi Punks, fuck off!", uma música contra o Exploited, seus inimigos declarados. Depois do término da DK, o vocal Jello Biafra montou o selo Alternative Tentacles, fez uns discos de poesias e discursos antifascistas gravados em palestras nas universidades para arrecadar fundos pro processo. Ainda montou a banda LARD.

Outras bandas americanas de HC citamos o MDC, Agnostic Front (que virou nazi), SOD (um projeto do Nuclear Assault), Crucifix, DOA e muitas outras. Entre os novos zines estavam a revista Maximum Rock'n'roll (que foi boicotado pelos punks, por tratá-la como ditadora da postura punk).

Na Europa, o berço veio nos países escandinavos (Finlândia, Suécia e Alemanha), tendo bandas como Crude SS, Anticimex, Amebix, Rattus, Terveet Kadett, Rovsvett, Lama, Ristetyt, etc.

No Brasil, muitas bandas surgiram nesta época. Ratos de Porão, Olho Seco, Cólera, Kaos 64, Desordeiros, Brigado do Ódio, Inocentes, Estágio Zero, Hino Mortal, Armagedom, WCKaos e outras, muitas punk rock (Extermínio, Psykóze, Azilo Militar, Fogo Cruzado e etc). No Nordeste surgiam Karne Krua, Discarga Violenta, Amnésia, Fome, Estrago, Deliquentes, Condenados, AI-5, Disunidos, CU.S.P.E., HC-3, Terroristas, Grito Suburbano e outras. Infelizmente, muitas destas bandas não existem e apenas Amnésia, Discarga Violenta e Cuspe continuam na cena alternativa. A DV recentemente acabou mas lançou sua discografia completa.

A década de 90, teve muitas bandas dos anos 80 que foram sugadas pelo mercado ou largaram o movimento punk, vivendo apenas do nome que na cena criou. Inocentes entrou ainda na déc. de 80 para uma grande gravadora. Ratos de Porão não é preciso nem falar, se entregaram de corpo e alma ao consumismo. Olho Seco é distribuído por um selo que distribui bandas nazistas na Europa.

Entre os zines conhecidos da década de 80 no Brasil, existia o ES-Punk, Buracaju, Grito Punk, 1992 (do Cólera, que possuía a gravadora Estúdios Vermelhos e Ataque Frontal) e outros. Apenas o Grito Punk existe e hoje está virando revista punk anarquista.

Com muitos grupos brasileiros na década de 80, o Maranhão possuía o MPS (Mov. de Protestos Suburbano) e na déc. 90, o MAP (Mov. Anarcopunk) que virou a ULMA (União Libertária).

Anos 90

Os punks mudaram muito e evoluíram. Mais uma vez o famigerado mercado sonoro abocanhou o hardcore e bandas falsas no movimento ou que usavam o estilo como Raimundos, DFC, Os Cabeloduro e outras bostas, faziam letras bobas, sexistas e machistas, por integrantes que nada tinham a ver com a cena. Por outro lado, o movimento punk havia se distribuído no Brasil inteiro.

Confrontando o HC comercial, muitas bandas aderiram ao grindcore, um som sujo, rápido e sem a mínima intenção de agradar. Curte quem gosta. Como também surgiu o crustcore, som influenciado principalmente em Discharge, Terveet Kadet e outras finlandesas. Há também o loadfast, ou melhor, a total antimúsica feit apor quem não sabe tocar ou faz por gostar (como eu). Citamos a 7MON (7 Minutos de Náusea), que chega a tocar 365 sons em 19 minutos e Sore Throat com uma zoada total.

O movimento anarcopunk surgiu para incentivar mais a atitude punk como real, atacando não só musicalmente, mais as estruturas sociais que causam problemas e miséria no mundo. O anarcopunk sai para criar novas saídas diretas, preocupados com a conscientização, conta a homofobia (discriminação homossexual), xenofobia (discriminação a outros lugares, regiões, países), o armamento militar e policial, à violência urbana, a alienação da TV e da mídia, o racismo, a política profissional, a educação alienante, o capitalismo e a fama e tantas outras merdas.

Muitos são contra os anarcopunks por sua postura direta. Mas, eles estão procurando se organizar em encontros regionais, nacionais e internacionais, ações diretas, organizações de grupos e atividades culturais, sociais e beneficentes. Buscam uma forma de viver sem o estado e de maneira fraterna e libertária.

A cena atualmente possui diversas distros, bandas, zines, ocuações (squats) grupos e se organizam em encontros regionais e nacionais, inclusive um internacional em Salvador. Isso mostra que a cena punk está firme e trabalhando o que sempre propôs nas décadas anteriores.

O punk é muito mais que visual. Ele é real.

Aqui está o link para download de alguns sucessos punks, Ramones , The Clash , Sex Pistols , NOFX , The Casualties e The Exploited.

Parte 1

Image Hosted by ImageShack.us

Parte 2

Image Hosted by ImageShack.us

Nenhum comentário:

Postar um comentário